A plataforma de brand journalism da Ovo Comunicação

Contrate-nos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Metade dos consumidores pretende seguir comprando online, mostra levantamento

Após dois anos de pandemia, clientes seguem atraídos pela praticidade e ofertas do e-commerce, mas o receio de fraudes e fretes altos desperta cautela

Levado a comprar online devido ao isolamento provocado pela Covid-19, o consumidor brasileiro deve seguir utilizando o e-commerce mesmo com a flexibilização do isolamento – atraído agora pela praticidade e pelas ofertas. É o que mostra a pesquisa “O Perfil de Compra do Consumidor”, realizada pela All iN, em parceria com Social Miner, Opinion Box e Bornlogic.

Segundo o estudo, 86% dos respondentes afirmaram ter recorrido às lojas virtuais em 2021. Olhando para o futuro, metade desses clientes (56%) se afeiçoou à prática e afirma seguir usando esse meio na hora de consumir. Entre os motivos, estão a praticidade no momento da compra (49%) e também da entrega (47%), além das ofertas disponíveis online, como no caso de cupons e cashbacks (49%).

Outra constatação relevante é que o Pix exerceu um papel importante para impulsionar essas compras, já que 44% dos respondentes optam pela modalidade de pagamento online devido à facilidade.

Há ainda um crescimento entre os adeptos das redes sociais. O social commerce, que consiste nas compras feitas por esses canais, viu um incremento de 43% entre os consumidores, embora outros 47% dos respondentes digam que evitam, por medo de golpes, falta de praticidade ou o tal do “preço por inbox” – que faz muitos desistirem de sequer descobrir os preços antes de comprar.

No geral, quando o assunto é o que não deixa os consumidores satisfeitos na hora de comprar online, a insegurança se destaca: 29% dos entrevistados disseram ter medo de fraudes, e 25% dizem não comprar por não confiar em sites. Outros motivos que os afastam do e-commerce são o frete elevado (23%) e a preferência por poder ver ao vivo e tocar nos produtos (20%).

Há, ainda, os clientes que pesquisam em lojas físicas para poderem ter essa experiência, mas acabam comprando online. Mais de 20% dos entrevistados se encaixam nessa categoria, o que aponta uma jornada de compra híbrida e, consequentemente, um crescimento do chamado omnichannel – estratégia que alia compras em lojas físicas e online.

“Por que perder a oportunidade de envolver seu cliente em ambos os canais? Oferecer benefícios para retirada da compra na loja física, mesclar os cupons de desconto de recompra entre lojas físicas e online, fornecer informações sobre as regiões em que as lojas físicas estão e, principalmente, envolver os times das lojas físicas e online para que ambos tratem os clientes da mesma forma são algumas das dicas para tornar a experiência mais fluida e personalizada”, diz André Fonseca, CEO da Bornlogic.

O levantamento foi realizado entre os dias 9 e 14 de fevereiro, com 1.123 consumidores brasileiros, respeitando as proporções de sexo, idade, renda mensal e distribuição geográfica. O nível de confiança do estudo é de 95%, com uma margem de erro de 2,9 pontos percentuais.

Dia do Consumidor

Outro levantamento feito pelas mesmas empresas mostra que o Dia do Consumidor, celebrado em 15 de março, está entrando na rota de planejamento de gastos dos brasileiros. Segundo as empresas, 42% dos entrevistados têm a intenção de gastar no dia, enquanto outros 42% ainda consideram a possibilidade.

Um indício de que a data está no radar dos clientes é o fato de que boa parte deles está se planejando com certa antecedência para o consumo. Entre os entrevistados, 26% pretendem começar a pesquisar o preço dos produtos a um mês da data. Outros 28% vão iniciar as pesquisas 15 dias antes do evento, e 26% passarão a olhar as ofertas na semana.

O levantamento mostra também que os consumidores pretendem comprar tanto online como em lojas físicas: 38% dos respondentes disseram que comprariam online pelo site das lojas, 28% responderam que comprariam em ambos os espaços. Aplicativos e redes sociais também aparecem como opção na hora de consumir.

“O consumidor brasileiro extrai o melhor dos dois mundos em uma mesma experiência. Isso mostra o quanto a jornada do cliente final está mudando – e que ela não acontece mais 100% no mesmo formato”, diz Ricardo Rodrigues, head de produto da All iN | Social Miner “Para quem comercializa pelas redes sociais, é importante garantir segurança ao consumidor, para que eles tenham confiança em sua marca e compre na sua página.”

Sobre a Bornlogic
A Bornlogic é uma empresa de tecnologia com propósito de acelerar a transformação digital de todos os vendedores do planeta. Realizamos isso por meio de uma plataforma SaaS pensada para potencializar a comunicação digital de grandes redes varejistas e franquias, impulsionando suas vendas usando conteúdo produzido pelos próprios vendedores nas lojas físicas. Levamos calor humano para a comunicação de vendas digital.

Sobre a All iN | Social Miner
Compondo o Grupo Locaweb, a All iN | Social Miner é uma empresa de tecnologia que une
inteligência artificial, automação e humanização para oferecer uma suíte de soluções que ajuda marcas a transformar dados em experiências de consumo personalizadas e omnichannel, otimizando investimentos, aumentando as vendas e trabalhando a retenção.

Relacionadas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email