A plataforma de brand journalism da Ovo Comunicação

Contrate-nos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

E agora, FEDeu de vez?

A quinta-feira amanheceu com gosto amargo lá fora, e o tom para o início de 2022 é de preocupação

Todo começo de ano é a mesma coisa.

As previsões para o ano que se inicia correm soltas, Brasil afora e mundo afora.

A quinta-feira amanheceu com gosto amargo lá fora, e o tom para o início de 2022 é de preocupação. Ontem, dia 4, após o Fed indicar alta das taxas, o índice S&P 500 teve sua maior queda diária em quatro meses.

Essa é justamente a surpresa número 1 da lista de Byron Wien, da Blackstone, para os acontecimentos de 2022: “A combinação de fortes ganhos entra em conflito com o aumento das taxas de juros, resultando no S&P 500 sem nenhum progresso em 2022”.

Os membros da autoridade monetária deixaram claro que as perspectivas para a economia, o mercado de trabalho e a inflação (não mais considerada apenas “transitória”) justificam um aumento da taxa de fundos federais (Fed Funds Rate) mais cedo ou em um ritmo mais rápido do que se antecipava. O problema é que se tal ajuste for feito de maneira muito abrupta, os mercados sofrem.

Os sinais de aperto monetário no exterior reforçam um Copom ainda agressivo em fevereiro e reuniões seguintes. Impacto direto em growth – tudo o que tem associação a tecnologia e fluxo de caixa futuro.

Como eu disse, o ano começou complicado.

Começamos 2021 cheios de expectativas e terminamos contando os minutos para que ele acabasse logo. Falei no último DB do ano, fomos do otimismo à sobrevivência.

E você, prefere começar o ano com o sentimento de euforia ou preocupação? Pertence ao time dos que acreditam ou dos que não acreditam nas previsões?

Se tradicionalmente eu divulgasse minha lista de previsões, poderia me dar o luxo de tentar acertar duas vezes, já que tenho a vantagem de surfar em dois calendários; a primeira virada de ano (mais emocional) em setembro, com o ano novo judaico; e a segunda em dezembro.

Na última terça-feira, 03, bati um papo com Felipe Miranda e Rodolfo Amstalden, da Empiricus, justamente sobre as perspectivas de investimento para 2022. E, claro, resolvi trazer um pouco do que falamos lá para o primeiro Diário de Bordo do ano.

Mas antes quero destacar algo que ouvi recentemente e tem tudo a ver com o assunto “previsões”.

Na verdade, são duas coisas.

A primeira delas é que a gente consegue olhar para frente muito linearmente, mas os avanços são exponenciais. O futuro é exponencial. Certas coisas são simplesmente impensáveis. Outras, por mais futuristas que possam parecer, de repente acontecem muito antes do que imaginávamos. Quem sabe algo dessa natureza não esteja entre os acontecimentos de 2022?

A segunda foi citada pelo Felipe Miranda logo no início da Live e era sobre a loucura de se repetir o mesmo comportamento e desejar resultados diferentes.

Mas o que isso tem a ver com você e com o tema?

A resposta é: tudo!

Não importa se as previsões são as já tradicionais “Surprises for the year” de Byron Wien, da Blackstone, o evento anual sobre as previsões de Scott Galloway, se são as “Dez surpresas para 2022”, de Felipe Miranda, ou qualquer outra lista de possíveis acontecimentos.

O que mais vale aqui é a forma como você se comporta diante do que pode acontecer e, claro, do que de fato acontece.

Ninguém listou uma pandemia para 2020, tampouco a terceira dose da vacina já para 2021. Por outro lado, as criptomoedas dominaram o mercado no ano que recém terminou.

Dificilmente um investidor ganhou mais dinheiro do que aquele que investiu em criptomoedas. Estando em listas de previsões ou não, você investiu em criptomoedas durante o ano? Você aproveitou nossas ofertas de Renda Fixa com retornos de 2 dígitos, do segundo semestre? Você está posicionado em algum dos nossos fundos temáticos de energia limpa? O Vitreo Urânio entregou 45,37% em 2021.

É isso o que importa. Muito mais do que previsões, o que vale é o que você faz.

Na conversa, Rodolfo faz um alerta sobre o fato de os primeiros acontecimentos do ano não serem um bom preditor do que será o ano (citando o Focus) e espera um 2022 com grandes upsides e pequenos downsides. Ou seja, um ano com assimetrias bem favoráveis.

Felipe acredita que esse é o ano da persistência. De persistir em coisas que não foram tão bem sobre o risco de perda com o overtrading.

Vejo com muito bons olhos uma diversificação mais espalhada e em mais classes de ativos.

Se você tem uma carteira mais diversificada e 3 ou 4 posições dão mais certo do que outras, mas elas pagam mais do que a perda de todas as outras, você tem uma carteira com lucro consolidado.

Essa seria a minha mensagem principal para você nesse início de ano.

Analise as previsões, tenha um driver sobre os caminhos que podem surgir, mas, acima de tudo, esteja bem posicionado nas classes de ativos. Se a sua carteira estiver montada de forma estratégica, com previsões ou sem previsões, você tem boas chances de ganhos.

As criptomoedas foram as vencedoras da corrida de 2021. Ano após ano, dificilmente a classe que ganhou é a que ganha no ano subsequente. Mas se você ainda não investe em criptomoedas, vai deixar de investir por isso? Espero que não.

Não tente acertar um único vencedor, espalhe mais e em mais classes de ativos, repito.

Nossos fundos de dólar, ouro e metais preciosos podem e devem fazer parte do seu hedge. O próprio Byron Wien, que já citei anteriormente, projeta uma alta de 20% de ouro.

Nosso mundo de fundos temáticos é composto por 4 blocos robustos, com Cannabis, Tecnologia, Commodities e Criptomoedas.

A Bolsa está nos níveis mais baixos dos últimos 15 anos. Small caps também seguem muito baratas.

Por isso eu reforço, mais importante do que saber as previsões para o ano, é o seu comportamento como investidor.

Se você está disposto a investir com sabedoria, diversificar bem e, entrar e sair na hora certa, talvez as previsões de todos os janeiros te deixem ansioso apenas para descobrir quem acertou mais ou menos, na também tradicional retrospectiva de todos os dezembros.

Por fim e para início de mais uma jornada, desejo a você um 2022 de muita saúde bons investimentos.

Obrigado pela confiança e por estar comigo e com a Vitreo em mais um ano. Darei o meu máximo para trazer a você as melhores oportunidades de investimentos.

Se você não tiver assistido à Live que inspirou o primeiro Diário de Bordo do ano, recomendo que após a leitura das próximas seções, você volte aqui, clique neste link e veja o bate-papo na íntegra, com todos os detalhes.

Prateleira de Fundos
O destaque da semana é o DAO Multifactor FIM, fundo long bias com abordagem quantitativa. Ele vem apresentando ótimos resultados desde o seu início e foi indicado pela turma da Empiricus para a incubadora da série Os Melhores Fundos de Investimento.

Neste e em outros fundos você pode aproveitar do nosso programa de cashback tanto em novos aportes como em portabilidades.

Antes de investir, não deixe de ler o regulamento do fundo e seus fatores de risco e verifique se o investimento está em linha com o seu perfil. E não se esqueça que não há garantia de retorno e retornos passados não garantem retornos futuros.

Live do Carteira Universa – a primeira do ano
Ontem foi a primeira Live mensal de 2022, sobre o Carteira Universa.

Acompanhado de Felipe Miranda e sua equipe de analistas da Empiricus, demos início ao papo falando sobre cenário, como já é de costume.

E, para falar sobre como 2022 começou, Felipe preferiu dar um passo para trás e relembrar como foi o mês de dezembro: mês bom, com posições do Carteira Universa em Bolsa andando bem, com altas até mesmo vigorosas.

Já em janeiro, iniciamos o ano em um cenário parecido com o início de 2021: mercado comprando bancos e commodities e castigando os ativos domésticos e cíclicos, mas de forma muito mais violenta do que no ano anterior. Além disso, falou-se sobre todos os excessos cometidos na quinta-feira, véspera de réveillon, que fizeram o mercado se ajustar na segunda e que causou grande impacto no Ibovespa, além de outros fatores.

E além de cenário, falamos sobre os ativos da carteira e respondemos as perguntas feitas sobre o fundo. Se você o possui ou tem interesse em saber sobre mercado e os ativos que compõem a carteira, pode assistir à Live clicando aqui.

Leia o Diário de Bordo na íntegra:  clique aqui. 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email