A plataforma de brand journalism da Ovo Comunicação

Contrate-nos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

William Castro Alves: O barato que sai caro… O caro que sai barato

“Apesar do receio com a desaceleração da economia, a verdade é que o mundo tem vindo para os Estados Unidos”

“Apesar do receio com a desaceleração da economia, a verdade é que o mundo tem vindo para os Estados Unidos”

Por William Castro Alves, estrategista-chefe da Avenue Securities

Na semana passada, comentei que teríamos dias intensos em termos de resultados corporativos. As maiores empresas da bolsa americana – Apple, Microsoft, Alphabet (dona do Google), Amazon e Facebook –, conhecidas como big techs, divulgaram seus números. Tais empresas, juntas, respondem por aproximadamente 23% do índice americano e somam mais de US$ 9 trilhões de valor de mercado. Logo, é normal que roubem a cena quando divulgam seus resultados. Em linhas gerais e de forma bem resumida, podemos dizer que o Google foi a big tech que apresentou o melhor resultado; a Amazon, a maior decepção; Apple e Microsoft bateram as estimativas, mas não trouxeram grandes perspectivas para frente; e o Facebook, apesar de resultados melhores que o esperado, apontou para um cenário mais complexo, olhando os próximos meses.

Para o investidor, acho importante ressaltar que todas essas empresas bateram as estimativas de mercado e reportaram resultados robustos, com crescimento de receitas, lucros e tudo mais. Quando digo que Amazon decepcionou, me refiro às expectativas de mercado. No curto prazo essas “decepções”, em um ou outro resultado, acabam pesando sobre a ação, mas ressalto que para o longo prazo o que importa de fato é a consistência de seus resultados, os quais, a meu ver, seguiram sendo a tônica neste semestre.

No nosso podcast diário comentamos cada uma delas – confira.

AGREGANDO…

De forma agregada, o que temos é: 91% das 275 empresas do S&P que divulgaram resultados bateram as estimativas do mercado, apresentando um crescimento de lucros de 86%; e 88% delas bateram as estimativas de receitas, com um crescimento médio de 24% de receitas – fonte de dados.

Outra forma de ver essa robustez dos resultados é por meio da evolução da margem de lucro das empresas. De acordo com a Factset, a margem de lucro líquido agregada das empresas do S&P 500 que divulgaram seus resultados foi de 12,4%, número maior que a média dos últimos cinco anos, de cerca de 10%. Confirmando-se, será a segunda maior margem de lucro líquido relatada pelo índice desde que a FactSet começou a monitorar essa métrica, em 2008, ficando atrás apenas do trimestre anterior.

EU FALO TUDO QUE ELA GOSTA DE ESCUTAR…

Fora os resultados, tivemos mais uma vez a autoridade monetária americana mantendo os juros inalterados e com um discurso bastante “dovish”, na expressão do mercado, ou seja, que aponta mais para os riscos de a economia não crescer, e com uma postura mais flexível em termos de política monetária. Na quarta, Jerome Powell, presidente do FED, disse que, apesar de a economia americana estar avançando rumo às suas metas, ainda existe um longo caminho até o banco central ajustar suas políticas expansionistas. Ele afirmou: “Nós temos algum caminho a percorrer no que diz respeito ao mercado de trabalho. (…) Acho que ainda estamos um pouco distantes de ter progresso substancial. Gostaria de ver alguns números fortes de emprego”.

O mercado gosta desse discurso… Juros baixos, compra de títulos, liquidez abundante. Powell novamente falou aquilo que o mercado queria escutar. Como cantava o Charlie Brown Jr.:

“Eu falo tudo que ela gosta de escutar. Deve ser por isso que ela vem me procurar”

O discurso de Powell jogou os juros americanos para baixo; em especial, a curva de 10 anos atingiu a mínima de 1.23%, na sexta-feira. Seu discurso também influenciou o dólar, que se desvalorizou frente a outras moedas e gerou um salto no ouro.

DIAGNÓSTICO CORRETO?

Mas, além de falar o que o mercado quer escutar, o FED talvez esteja correto no diagnóstico.

Digo isso porque um dia depois tivemos o dado de PIB do segundo trimestre nos EUA. Apesar do forte crescimento de 6.5% no 2T21, a verdade é que o número surpreendeu negativamente, dado que a expectativa era de um crescimento de 8.5%. O dado mais fraco se deveu a menores exportações, um consumo do governo mais fraco, bem como um arrefecimento no mercado imobiliário. Por outro lado, o gasto dos consumidores e os investimentos das empresas seguiram fortes, o que é bastante saudável para a economia.

A questão é que, de uma forma agregada, os últimos números da economia americana têm decepcionado – o gráfico abaixo, do Citi Economic Surprise, ajuda a mostrar isso.

Portanto, a retirada de estímulos muito prematura poderia jogar por água abaixo a recuperação percebida pela economia americana. Esse é um risco não desprezível, no qual o FED tem estado de olho.

O BARATO QUE SAI CARO E O CARO QUE SAI BARATO

Indo para o mercado, apesar do receio com a desaceleração da economia, a verdade é que o mundo tem vindo para cá. Matéria recente do Wall Street Journal (link) fala disso:

“Investors world-wide have funneled more than $900 billion into U.S.-domiciled mutual and exchange-traded funds, on a net basis, during the first half of the year, according to data compiled by Refinitiv Lipper.”

“Investidores em todo o mundo canalizaram mais de US$ 900 bilhões para fundos mútuos e negociados em bolsa domiciliados nos EUA, em uma base líquida, durante o primeiro semestre do ano, de acordo com dados compilados pela Refinitiv Lipper.”

Não por acaso, o diferencial de performance entre os mercados americanos e o resto do mundo veio abrindo, mesmo com muitos defendendo a ideia de que o mercado americano se encontra relativamente caro (negociando a um múltiplo de lucros maior que o resto do mundo).

Casos como o que aconteceu na China ajudam a explicar essa preferência pelo mercado americano. A intervenção estatal em diferentes segmentos de seus mercados afugentou investidores e, segundo estimativas, gerou perdas de US$ 1 trilhão (fonte). E esse não é um fato isolado. Regularmente vemos ou ouvimos casos de intervenções de mercados nocivos à atração do capital externo… Como brasileiros, nós entendemos bem disso, não é mesmo?

Portanto, o respeito às instituições de mercado tem um preço. Se muitos acham o mercado americano caro, é bom lembrá-los que muitas vezes o barato sai caro, e o caro é que sai barato.

Era isso pessoal, aquele abraço!!!

WILLIAM CASTRO ALVES

Clientes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Clientes