Jojo Wachsmann: Os mercados tiraram férias comigo

Os encantos da Costa Rica e uma segunda de fortes emoções para começar a semana

Por Jojo Wachsmann, sócio-fundador e CIO da Vitreo

Podem me achar maluco, mas já estou contando os dias para as próximas férias!
Foram menos de duas semanas, mas deu para descansar o corpo e a cabeça. Voltei renovado e cheio de ideias para este Diário de Bordo.

Para quem não sabe, fui com minha esposa para a Costa Rica (e, antes que perguntem, era nosso destino final mesmo. Não fomos depois para Miami!). Sempre tivemos muita curiosidade sobre o país, que nos havia sido super recomendado.

Dividimos nosso tempo lá em dois destinos: Arenal e Península Papagayo. Voamos para a capital, San José, com escala no Panamá. Estávamos famintos, e a primeira parada foi o bufê do Walmart.

A primeira região que visitamos fica em torno do vulcão Arenal, que dá nome à cidade. A região é uma densa floresta tropical (rainforest, com direito a capa de chuva como item obrigatório), ao redor de um dos sete vulcões ativos localizados no país (inativos são mais de 100…).

Foi difícil escolher quais atividades fazer nesses cinco dias, mas posso garantir que a Silvia e eu nos divertimos muito. Trilhas (logo eu!!!), cachoeira, tirolesas alucinantes, banho em águas termais (no Río Chollín, cujas águas ficaram quentes depois da trágica erupção de 1968), boa comida, fauna e flora muito ricas.

Falando em fauna, bizarro o barulho das cigarras. Tão desacostumado com ouvir a natureza, na primeira manhã quase liguei para a recepção do hotel para reclamar do barulho da “obra” ao lado no nosso quarto.

A segunda etapa da viagem já contou com um perfil mais relax: praia. Fomos para a Península Papagayo, na costa do Oceano Pacífico. Ali, o nosso único compromisso do dia era renovar o protetor solar de tempos em tempos e caprichar na hidratação (assumo que falhei em algumas funções).

Graças à Farmacologia (viva o mágico Meclin), Silvia topou encarar um passeio de barco, e eu pude fazer alguns mergulhos. Foi incrível! Não resisti à oportunidade de voltar para mais mergulhos no dia seguinte, dessa vez mais intensos.

Fui para Bat Islands (ou Islas Murciélago), que ficam a 30 milhas do hotel e fazem parte do Parque Nacional Santa Rosa. Na superfície, a ressaca batendo nas pedras dava o tom da aventura. Mas o ponto alto do mergulho estava a 32 m abaixo da superfície, no encontro com os temidos e enormes bull sharks (conhecidos por aqui como tubarões cabeça-chata).

Fora isso, ainda fizemos passeios de caiaque, stand-up, quilômetros de bike percorridos pela Península… Sinceramente, não sei se o corpo descansou o suficiente, mas a mente ficou revigorada.

Na volta, teríamos seis horas de espera no aeroporto. Sendo assim, não perdemos a oportunidade de conhecer a Hacienda Alsácia, uma fazenda de café da Starbucks usada como centro de pesquisa e desenvolvimento do plantio do café e apoio aos produtores locais.

Muito bacana o projeto e a chance de entender melhor sobre o cultivo do café. O que nos chamou bastante atenção foi a educação e o acolhimento do povo costarriquenho. Um grande diferencial para a nossa estada!

férias Jojo

Agora, uma dica: não converta os valores para o real. Os preços pareciam super salgados (em dólar ou colones), mas valeu a pena cada centavo gasto. Fica aqui minha recomendação!

Mas nem só de Costa Rica vive este Diário de Bordo. Cheguei de férias e a segunda-feira já foi de fortes emoções no mercado. Enquanto eu estava de férias, o mercado estava bem positivo, tanto aqui como lá fora. A segunda foi um dia de fortes realizações, com a preocupação em torno da variante Delta da Covid e o temor de retrocessos no processo de reabertura das economias. Os movimentos foram em parte revertidos na terça-feira e na quinta, mas a atenção segue redobrada.

Enquanto isso, seguimos com uma sequência aquecida de IPOs em nossa Bolsa. Depois de 3tentos (que entrou no fundo Vitreo Agro) e SmartFit, nesta semana tivemos Desktop, Multilaser (entramos no Special Situations e no Tech Brasil), Unifique… E na semana que vem teremos Traders Club, Armac, Brisanet, Clear Sale e, mais para frente, Raizen (que também vai para o Vitreo Agro).

A proposta de reforma tributária apresentada pelo governo também foi notícia. Depois do barulho negativo em cima da primeira versão, começa a ganhar forma uma versão mais aceita, que, entre outras coisas, mantém a isenção sobre os FIIs, não mexe na tributação no exterior para as empresas e reduz a proposta de tributação de dividendos. A votação deve ser em agosto. Vamos ver o que acontece até lá.

Gravei com o Felipe Miranda mais um episódio do RadioCash, conversa com o Mansueto Almeida, sobre a questão fiscal no país e a reforma tributária. Deve ir ao ar em breve!

Por falar em reforma tributária, em meados de 2019 a Costa Rica implementou o modelo de imposto sobre valor adicionado (IVA). Me deu uma invejinha…

Nesta semana teve outra emoção. Na terça-feira, minha filha recebeu a sua CNH. Fui com ela dirigindo pela primeira vez até a casa da mãe, a última direção assistida, antes de ela explorar a liberdade (e responsabilidade) de poder dirigir desacompanhada. Ela foi super bem. Estava feliz e concentrada. O que ela não sabe (vai saber quando ler este DB) é quão emocionado fiquei. Quando entrei no Uber para voltar, caí no choro. Um choro bom, de ver minha filhotinha crescendo. Voa filha, voa!

Leia o Diário de Bordo na íntegra:  clique aqui. 

Deixe uma resposta