A plataforma de brand journalism da Ovo Comunicação

Contrate-nos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

May the 4th be with you

As decisões tomadas nas reuniões do Copom aqui e do Fomc lá fora, vão influenciar e determinar as condições do mercado nas próximas semanas ou meses

Todos os anos, o dia 4 de maio é lembrado pelos apaixonados pela série Star Wars (“Guerra nas Estrelas”). Em inglês, a sonoridade da data “May the fourth” lembra a frase célebre do filme com a qual os guerreiros Jedis se despedem, May the force be with you, “Que a força esteja com você”.

Ontem, tivemos mais uma Super Quarta-Feira, como o mercado financeiro chama o dia quando coincidem as reuniões dos bancos centrais aqui no Brasil e nos EUA.

O meme da data vem bem a calhar, pois as decisões tomadas nas reuniões do Copom aqui e do Fomc lá fora, vão influenciar e determinar as condições do mercado nas próximas semanas ou meses. Então precisamos mesmo que a força esteja do nosso lado!

Você já sabe que a inflação vem sendo o principal assunto da economia global, e os movimentos restritivos dos governos em suas respectivas políticas monetárias, vêm influenciando nos resultados das principais Bolsas.

Com inflação anualizada em 8,5%, a maior dos últimos 40 anos, o Fed, como esperado, acelerou o passo ontem, subindo a taxa de juros de curto prazo de 0,50%, para 0,75%. Essa foi a maior alta de juros em uma única reunião dos últimos 22 anos. Além disso, também sinalizaram uma redução de US$ 9 trilhões no tamanho do seu portfólio de ativos, apertando ainda mais as condições de liquidez que estimularam os ativos de risco nos últimos anos.

Interessante perceber que o mercado internacional “se acalmou” com a decisão do Fed, que apesar de bastante restritiva, parece afastar a possibilidade de uma aceleração do ritmo de aumento de juros nas próximas reuniões. Isso, sem dúvida, implicaria em novas quedas nos preços dos ativos de risco.

Fonte: Federal Reserve (De 2000 a 2022)

Já o nosso BC também subiu a Selic em 1%, para 12,75%. Além disso, o mercado interpretou que o comunicado do Copom aponta ainda para mais um aumento de 0,50% na próxima reunião, levando a Selic para 13,25%.

A prévia da inflação, o IPCA-15, teve alta de 1,73% em abril, acumulando alta de 12,03% nos últimos 12 meses. A percepção é que o pico da inflação foi mesmo em abril e, agora, o BC entrará em uma dinâmica de observação para confirmar essa tendência.

Na Europa, o Banco Central Europeu manteve a taxa de juros inalterada no mês passado. No entanto, o índice de preço do consumidor (CPI) da zona do euro, atingiu a máxima história de 7,5% anualizado em abril. O órgão europeu também mudou seu tom recentemente e há a expectativa de que os juros subam quando ele finalizar seu programa de compra de dívidas. Um dos pontos citados pelo BCE, é que a região é uma das que mais sofre com o conflito na Ucrânia.

O único país que segue em movimento contrário é a China. Buscando acelerar a economia, o país asiático reduziu a taxa de compulsórios bancários para aumentar a liquidez, mas não reduziu os juros.

Dois fatores contribuem para a inflação global. A guerra entre Rússia e Ucrânia, que ultrapassou dois meses e segue longe de uma solução. E a política Covid zero da China, que vem resultando em novos lockdowns e restrições e desacelera a economia do país.

Abril foi o primeiro mês de queda do Ibovespa no ano. E as quedas seguem nesse início de maio. O índice, que teve seu pior desempenho desde março de 2020, caiu 10,1% em abril. Ao mesmo tempo, o Dólar se valorizou em 3,93% frente ao Real, influenciado pelo tom hawkish do Fed e a redução do fluxo estrangeiro no Brasil.

Já nas Bolsas globais em suas moedas originais, S&P 500, Nasdaq 100 e MSCI World apresentaram desempenho de -8,8%, -13,37% e -8,43%, respectivamente.

O ouro teve valorização de 2,4%, enquanto Bitcoin e Ether, ambos em dólar, caíram 15,22% e 14,2%, respectivamente.

Já que o assunto do momento é taxa de juros e inflação, lançamos na semana passada um fundo que completa nosso quarteto com opções de Renda Fixa dentro de casa.

Você já conhece o Selic Simples, o mais rentável fundo DI com taxa zero da indústria. Totalmente pós-fixado, ele é a melhor opção para sua reserva de emergência.

Além dele, temos o RF Ativo. Esse fundo aplica ativamente em diversos instrumentos de renda fixa, principalmente em juros e títulos indexados à inflação, com mudanças táticas frequentes. Seu objetivo é ter uma rentabilidade superior ao Selic Simples, no longo prazo, com volatilidade controlada. Desde o seu início está com rentabilidade de 6,22% nos últimos 6 meses (até 29/04), superando alguns dos seus peers, como o famoso Itaú Legend…

Para um perfil de mais longo prazo, temos o Vitreo Inflação Longa, nossa opção mais volátil, com uma carteira que investe nos títulos indexados à inflação mais longos e com melhor liquidez. Atualmente aplicamos nos prazos 2050 e 2055.

E agora lançamos o Empiricus Inflação Curta justamente para completar a oferta para os investidores preocupados com a inflação de curto prazo. O fundo investirá em títulos públicos indexados à inflação com vencimento de até cinco anos, na mesma proporção que esses títulos representam na dívida pública brasileira. Esse fundo terá uma volatilidade maior que o Selic Simples e RF Ativo, mas bem menor do que o Vitreo Inflação Longa.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email