A plataforma de brand journalism da Ovo Comunicação

Contrate-nos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Rio terá bolsa de valores para compra de créditos de carbono

Projeto inclui ativos sustentáveis, como energia, clima e florestas

Por Agência Brasil

O Rio de Janeiro terá uma bolsa de valores para compra e venda de créditos de carbono e ativos sustentáveis, como energia, clima e florestas. Protocolo de intenções foi assinado nesta terça-feira (8), em Nova Iorque, pelo governador Cláudio Castro, com a Nasdaq e a Global Environmental Asset Plataform (GEAP), primeiro passo para implantação da plataforma no Brasil.

Segundo o governo fluminense, o acordo garantirá ao Rio o protagonismo na economia verde. A Nasdaq é o mercado de ações automatizado norte-americano onde estão listadas mais de 2.800 ações de diferentes empresas, em maioria de pequena e média capitalização.

A parceria estabelecida prevê o intercâmbio de informações entre o governo do estado, a Nasdaq e a Geap para a implementação de políticas públicas para certificar, emitir e negociar créditos de carbono, como, por exemplo, a entrega de créditos ambientais a contribuintes que quitarem seus débitos do Imposto Sobre Propriedade de Veículo Automotor (IPVA).

Dentro de 90 dias devem ser criados projeto-piloto e grupo de trabalho para discutir as medidas propostas. Findo o período de avaliação, será examinada a instalada uma subsidiária brasileira da Nasdaq no Rio de Janeiro. A Bolsa de Ativos Ambientais deverá funcionar no segundo semestre deste ano.

Boa notícia
Para o ex-presidente da Bolsa de Valores do Rio de Janeiro (BVRJ) Carlos Alberto Reis, a associação com a Nasdaq “só pode ser boa”. “É uma notícia muito positiva”, disse nesta quarta (9) à Agência Brasil. Embora nunca tenha operado com ativos ambientais, Carlos Reis ressaltou que é uma boa notícia o Rio de Janeiro voltar a ter uma bolsa. Ainda mais se a futura instituição vier a ter uma sede física no centro da cidade, atualmente abandonado. Ele torce para que a sede seja na Praça 15, onde a BVRJ funcionou até 2002, quando foi incorporada pela Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), ou no Porto do Rio.

A BVRJ foi a bolsa de valores mais antiga do país, inaugurada em 14 de julho de 1820, três anos depois da Bolsa da Bahia (Bovesba), que só começou a operar em 1851, por decreto imperial. Carlos Reis foi eleito presidente da BVRJ por dois mandatos: 1992 a 1994 e 1998 a 2001. Enquanto titular da Bolsa do Rio, trabalhou e lutou por um mercado de ações mais transparente e eficiente, além de ter criado parceiras internacionais com Bolsas europeias e latino-americanas.

A opinião foi compartilhada por Ricardo Nogueira, diretor do Sindicato das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários do Rio de Janeiro (Sindicor RJ). Nogueira recordou que o assunto vem sendo discutido há alguns anos no país. “Com o estado tomando à frente, é muito bom e também com a Nasdaq, que tem tecnologia e experiência”. Falando à Agência Brasil, o diretor do Sindicor RJ reforçou: “Ter uma bolsa de ativos ambientais sediada no Rio é muito bom, tanto econômica como institucionalmente para o Rio de Janeiro, em termos de imagem”.

CO2
O governador Cláudio Castro disse que a equipe de governo vem trabalhando há 8 meses neste acordo. A Nasdaq fornecerá a tecnologia e o estado do Rio de Janeiro, os ativos ambientais. A expectativa é que o potencial econômico ambiental do Rio alcance um estoque de gás carbônico (CO2) de 73 milhões de toneladas, representando R$ 25 bilhões. “Cada tonelada desse ativo ambiental pode custar, em média, US$ 5. O segmento está ganhando força em todo o mundo e é visto como uma das alternativas de retomada da economia após a crise causada pela pandemia da covid-19”, afirmou Castro.

Segundo maior mercado de ações em capitalização de mercado do mundo, depois da Bolsa de Nova York, a Nasdaq é pioneira no tema da sustentabilidade. Em parceria com a Organização das Nações Unidas (ONU), criou criou o Sustainable Stock Exchanges (SSE), programa que disponibiliza uma plataforma global para que as bolsas estimulem o investimento sustentável com a colaboração de investidores e empresas. Em 2018, foi lançada a primeira bolsa digital regulamentada do mundo para tokens (ferramenta digital de segurança para validação e autenticação de transações financeiras) com base em ativos, que conta com a operação da Nasdaq Technologies.

O vice-presidente associado da Nasdaq Technologies, Carlos Patiño, afirmou que a empresa tem interesse em fazer parte desse tipo de iniciativa. “Será um desafio participar desse projeto criativo. Temos muito o que fazer, mas estamos ansiosos em iniciar esse trabalho em conjunto com o estado do Rio de Janeiro”, disse.

Mercado de carbono
Os créditos de carbono são vendidos por países que reduziram as emissões para outras nações que não atingiram suas metas de diminuição de gases causadores do efeito estufa (GEEs). Os recursos financeiros obtidos são aplicados em projetos de emissões de gases de efeito estufa, como reflorestamento e outras ações. O novo mercado vai resultar na geração de empregos e atração de empresas nacionais e internacionais, além de tornar o Rio de Janeiro líder na economia de baixo carbono, sinalizou o governador.

O secretário de Estado de Fazenda, Nelson Rocha, informou que a meta é trazer também os ativos ambientais da iniciativa privada para serem negociados por meio da plataforma da Nasdaq que, a princípio, vai operar no exterior. “Vamos criar ambiente propício para que essa expansão aconteça nos próximos anos. Queremos fazer do Rio um hub (base) de investimentos de ativos ambientais.”

De acordo o governo fluminense, o estado do Rio de Janeiro possuiu 31% de sua área coberta por florestas naturais, correspondendo a 1,3 milhão de hectares. Até 2050, a expectativa é aumentar a área florestal de Mata Atlântica no estado em 10%. Com investimento inicial de R$ 410 milhões, o projeto Florestas do Amanhã foi criado com objetivo de reflorestar mais de 5 mil hectares com espécies nativas. A medida assegura a manutenção das encostas e dos recursos hídricos, além de promover o desenvolvimento sustentável.

A estimativa é que o programa, na sua primeira fase de implantação, gere mais de 5 mil empregos.

O secretário de Ambiente e Sustentabilidade, Thiago Pampolha, informou que o governo quer ser referência nacional no mercado de carbono. “Desde julho do ano passado, estamos trabalhando para identificar as ações necessárias para o estado conquistar o título de ‘carbono neutro’. O objetivo é fazer com que as emissões líquidas de gases que causam o efeito estufa sejam totalmente neutralizadas até o ano de 2045”.

Relacionadas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email