A plataforma de brand journalism da Ovo Comunicação

Contrate-nos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

William Castro Alves: Quem avisa amigo é – dolarize seus investimentos

Se os custos de produção e os produtos ficam mais caros aqui nos EUA, eles tentem a ficar mais caros no mundo todo. Logo, a inflação percebida aqui tende a ser “exportada”, impactando você aí no Brasil

Se os custos de produção e os produtos ficam mais caros aqui nos EUA, eles tentem a ficar mais caros no mundo todo. Logo, a inflação percebida aqui tende a ser “exportada”, impactando você aí no Brasil

Por William Castro Alves, estrategista-chefe da Avenue Securities

A semana foi mais curta por causa dos feriados – labour day aqui nos EUA e Independência no Brasil –, mas não menos intensa. Em terras brasileiras vimos a cena ser inflamada novamente pelas discussões políticas, as quais levaram a uma alta volatilidade dos ativos domésticos (falo de câmbio, bolsa e juros).

O que vimos nos serve de alerta. Não me refiro a questões políticas, mas sim a sua independência financeira.

O Brasil comemorou sua independência, mas e você?

É possível ser independente financeiramente vendo seus investimentos e a poupança da sua família totalmente suscetíveis a eventos internos imprevisíveis? Nem entramos no ano eleitoral e já há tamanha volatilidade.

A mensagem que a semana ensina é: busque sua independência financeira sem ficar refém de uma geografia, de um comentário político, de uma reforma, de um ministro etc. Go Global!

Mas bora falar sobre o mercado americano…

SAZONALIDADE RUIM

Na semana, vimos uma leve realização nos índices americanos. Algo normal, ainda mais considerando que o mês de setembro não tem sido dos melhores para a bolsa americana. O gráfico abaixo traz a performance do S&P 500 em diferentes janelas (20 anos, 10 anos, desde 1950 ou em anos pós-eleitorais), e o resultado tem sido o mesmo:

Fonte.  

Isso quer dizer que vamos fechar o mês no vermelho? Não há como afirmar.

CONTRA FLUXO NÃO HÁ ARGUMENTO?

Mas contrapondo essa sazonalidade, comentei aqui, há duas semanas, o bom desempenho dos resultados das empresas americanas e a quantidade de caixa que elas carregam hoje. Acontece que esse caixa mais parrudo pode e tende a ser usado para recompras de ações, como já vemos acontecer (gráfico abaixo). Isso pode ser um contraponto na medida em que traz sustentação ao mercado; afinal, dizem que contra fluxo não há argumento.

Fora isso, com juros ainda em patamares muito baixos aqui nos EUA e as taxas de poupança em níveis elevados, mais e mais dinheiro tem sido colocado no mercado de ações. O gráfico abaixo mostra que a exposição direta em ações, comparada ao portfólio financeiro dos americanos, tem atingido níveis recordes:

É normal e até saudável (evita formação de bolhas) o mercado passar por realizações. Apesar das estatísticas e sazonalidade, não há como precisar quando irão acontecer. Para o investidor que tem posição, vale a pena apenas entender e conviver com as flutuações. Para quem ainda não investiu, as oscilações são boas notícias, pois permitem montar posição a preços mais amigáveis. O experiente analista de mercado Ed Yardeni disse recentemente em entrevista à CNBC que realizações seriam bons momentos para compra.

“O problema de tentar acertar correções é que você tem que sair antes que aconteçam e descobrir como voltar assim que elas terminam”, disse ele. “Algumas pessoas podem acertar os dois, mas, em grande parte, é uma decisão muito difícil. Não estou no campo de correções, mas quando acontecerem, espero que as pessoas usem isso como uma oportunidade para comprar mais.” Link para entrevista.

GRANDES X PEQUENAS

Outra coisa que vem chamando atenção nos últimos dois meses é a melhor performance relativa das empresas maiores frente às de menor capitalização de mercado, exatamente o oposto do que vimos no primeiro semestre do ano. O gráfico abaixo compara o ETF SPY, que replica o índice S&P 500 (linha preta), com o ETF IWM, que replica o índice Russell 2000 (linha vermelha), tornando mais clara essa diferença de performance.

Isso faz com que as small caps passem a negociar com elevado desconto frente ao mercado como um todo. O gráfico abaixo compara a relação Preço/Lucro do S&P 500 com o índice de 600 small caps americanas, mostrando que estas negociam hoje com um desconto relativo às grandes empresas (relação abaixo de 1x).

VOLATILIDADE BAIXA

Vale destaque também para a baixa volatilidade em nível agregado no mercado americano. Apesar de essa não ser a realidade específica do Brasil, a verdade é que o índice de volatilidade tem se mantido em patamares bastante baixos, o que obviamente acaba por ajudar o mercado americano.

INFLAÇÃO TEMPORARIAMENTE PERSISTENTE?

Para terminar, tivemos dados de inflação ao produtor. Números que preocupam, pois a inflação percebida pelo produtor tende a ser repassada ao consumidor final. Os preços ao produtor subiram ao seu nível mais alto desde novembro de 2010 – em base anual o PPI subiu 8,3% em agosto. Esse número vem depois do registro em julho, de 7.8%. Os motivos continuam sendo os mesmos: problemas da cadeia de abastecimento, escassez de bens de consumo e de produção, aumento da demanda relacionada à pandemia de Covid-19, dificuldade de produção e acesso à mão de obra em algumas indústrias, crise dos chips. A questão é que essa inflação, que se mostrava temporária, e de fato parece ser, tem sido “temporariamente persistente”.

O que a inflação nos Estados Unidos tem a ver com você aí no Brasil? Ora, se os custos de produção e os produtos americanos ficam mais caros aqui nos EUA, eles tentem a ficar mais caros no mundo todo. Logo essa inflação percebida aqui tende a ser “exportada” para o mundo, impactando você aí no Brasil! Para se proteger, você precisa dolarizar seus investimentos!

Quem avisa amigo é.

Era isso pessoal, aquele abraço!!!

WILLIAM CASTRO ALVES

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email