Jojo Wachsmann: Não faça planos

Mais um Ano Novo judaico… on-line

Por Jojo Wachsmann, sócio-fundador e CIO da Vitreo

Você já deve ter ouvido o ditado que diz que, enquanto nós fazemos planos aqui embaixo, D’us, lá em cima, dá risada…

Pois experimentei isso na pele na última segunda. Minha enteada testou positivo para Covid-19 poucas horas antes do jantar do Ano Novo judaico de 5782.

Bastou uma família não seguir o protocolo desenhado para garantir a volta às aulas presenciais e o dominó de casos começou. Já são sete na turma dela até o momento em que escrevo este texto.

Nossos planos eram celebrar a chegada do novo ano na casa dos meus pais, com eles e os meus sogros. Foi um corre-corre para desmarcar tudo. Enquanto peguei meus computadores e monitores no trabalho, dispensamos as moças que trabalham em casa e o motorista, avisamos a todos com quem estivemos nos últimos dias e nos isolamos em casa.

Meus pais, em tempo recorde, mandaram todo o jantar para a nossa casa e, assim como no ano passado, celebramos a data usando uma sala virtual no Zoom.

O novo isolamento cancelou também os planos de retorno presencial à sinagoga. Mais um ano para assistir aos cultos por meio das transmissões do YouTube.

De certa forma, parte desse novo modelo me agrada. Claro que sinto falta de me sentar e rezar ao lado do meu pai e ter breves conversas sobre alguns assuntos que, não sei por que, só temos nesses dias do ano. Mas, por outro lado, olho para o lado, no sofá, e estou cercado pela minha família. Silvia, Naomi, Michel e Mirela ali do meu lado, em um momento tão especial. Na sinagoga que frequentamos, homens e mulheres se sentam em locais separados.

(Manoela, coitada, levou a pior. Está isolada em seu quarto e vai ficar assim até o próximo teste, passada a quarentena recomendada pelo médico.)

Em uma das prédicas (pequenos discursos, como TED Talks, que os rabinos fazem durante os cultos), a rabina Tati Schagas comentou a evolução do culto na religião judaica.

(Sim, você não leu errado. Rabina. Mulher. Algumas linhas do judaísmo já avançaram na questão da igualdade de gêneros inclusive para essa atividade. Confesso que tenho mixed-feelings. Não quanto ao direito ao trato igual para todos, apenas não cresci acostumado a ver mulheres nas funções sacerdotais.)

Muitos séculos atrás, quando o Grande Templo ainda existia em Jerusalém, as rezas eram proferidas quase que exclusivamente pelo Sumo Sacerdote e um seleto grupo de assistentes.

Com a tragédia da destruição do Templo, vieram as sinagogas como ponto de reunião do povo, e, com elas, o culto e a religião de certa forma se popularizaram. Esse processo foi “exponencializado” pelo exílio dos judeus da Babilônia em 586-587 a.C., que constituiu a primeira diáspora judaica.

Hoje, por conta da pandemia, vivemos um novo capítulo dessa popularização. Como no ano passado, por um motivo penoso (a pandemia, no caso), tivemos acesso aos cultos on-line. E, agora, a sala da minha casa se tornou um local de oração, ainda mais espiritualizado do que já era.

RadioCash

O episódio #34 do RadioCash é com o Marcello Siniscalchi, CIO da Asset 1. Ele compartilhou um pouco de sua trajetória no mercado, fez comentários sobre o cenário econômico atual e falou sobre os fundos da Asset 1, como o A1 Hedge FICFIM, que é recomendado pela Empiricus. Marcello vê um ano difícil para a indústria de multimercados. Na visão dele, no Brasil as pessoas ainda estão aprendendo a investir. Os produtos são a consequência disso, são o outro lado da moeda. Eu concordo com isso. Até pouco tempo atrás, a maioria das pessoas tinha investimentos apenas em poupança.

Quero ouvir o RadioCash

#umfundopordia

Antes de falar das novidades da semana, tenho dois recados para você. Caso você não seja cotista de um dos fundos da Mauá Capital, pode ir diretamente para meu segundo recado.

  1. A Mauá Capital anunciou que vai encerrar sua área Macro e, assim, não seguirá com os fundos Mauá Capital Total Return FIRF LP e Mauá Macro FICFIM. A sugestão da gestora é que todos cotistas peçam o resgate total dos produtos.
  2. O Neo Future FICFIA é a mais nova recomendação da turma da Empiricus no relatório Os Melhores Fundos de Investimentos.

Voltando para os lançamentos, a primeira novidade que quero contar para você é o Genoa Capital Arpa FICFIM. Ele é um long biased comandado pelos ex-gestores do famoso Itaú Hedge Plus.

Já da nossa parceira Franklin, temos o Franklin Creditech FICFIM CrPr e o Franklin K2 Alternative Strategies FICFIM IE. O primeiro é focado em crédito para fintechs brasileiras e o segundo em estratégias alternativas no exterior.

E, em previdência, o novo integrante é o Western Asset Icatu RF Ativo Prev FIRF. O fundo previdenciário é carro-chefe da Western e tem como foco investir em renda fixa pré-fixada e atrelada à inflação.

Vale lembrar que a Vitreo possui o programa Cashback sem conflitos. Caso você já possua algum desses ou outros produtos custodiados em outras casas, você pode pedir a portabilidade para a Vitreo. Assim, você investe em seus fundos favoritos e ainda aproveita o benefício do cashback.

Não deixe de ler o regulamento do fundo e os fatores de risco antes de investir. Também é sempre importante verificar se o apetite de risco do fundo está em linha com o seu perfil de investidor. E lembrem-se que não há nenhuma garantia de retorno.

Um abraço!

Leia o Diário de Bordo na íntegra:  clique aqui. 

Deixe uma resposta