A plataforma de brand journalism da Ovo Comunicação

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Momento favorável acelera crescimento do HASH11, primeiro ETF de cripto da B3

Fruto do crescente interesse dos brasileiros por criptoativos, produto da Hashdex já conta com mais de 118 mil cotistas e R$ 1,5 bilhão de patrimônio líquido

Fruto do crescente interesse dos brasileiros por criptoativos, produto da Hashdex já conta com mais de 118 mil cotistas e R$ 1,5 bilhão de patrimônio líquido

O primeiro ETF de criptoativos da B3 estreou há menos de dois meses, em 26 abril. Pouco mais de um mês depois já ostentava a posição em que está hoje: o segundo ETF mais “populoso” da Bolsa brasileira. O fundo HASH11, da gestora Hashdex, já conta com mais de 118 mil cotistas e R$ 1,5 bilhão em patrimônio líquido. Cerca de 70% dos investidores são pessoas físicas, e 30%, institucionais.

A popularização do produto pode ser explicada pelo crescente interesse do investidor brasileiro no mercado de ativos digitais e pelo momento favorável para a entrada no segmento. “A recente queda nos preços dos ativos acabou servindo como um incentivo para acessar o mercado. Estamos vendo um movimento muito forte de entrada no HASH11”, diz Roberta Antunes, Chief of Growth da Hashdex. “Do lançamento até o momento, o ETF mais do que dobrou em número de cotistas. Se seguirmos nesse caminho, acredito que ele possa se tornar o maior da B3.”

O HASH11 foi criado com o objetivo de oferecer, para todos os tipos de investidores, de forma segura e regulada, acesso total ao suprassumo do mercado de ativos digitais. O ETF replica o Nasdaq Crypto Index, mais conhecido como NCI. Atualmente, o índice é composto pelos seguintes ativos: Bitcoin (65,27%), Ethereum (29,70%), Litecoin (1,23%), Chainlink (0,99%), Bitcoin Cash (0,87%), Uniswap (0,74%), Filecoin (0,65%) e Stellar Lumens (0,56%).

“A diversidade de criptoativos na composição do índice é o que torna o HASH11 um produto robusto e mais seguro”, explica a executiva. Segundo Roberta, o NCI tem critérios rígidos para selecionar os ativos que o compõem. “Essa metodologia, desenvolvida em conjunto com a Nasdaq, oferece para o investidor brasileiro todo o potencial do mercado de ativos digitais. É uma cesta com o que há de melhor no segmento.”

Clientes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Clientes