A plataforma de brand journalism da Ovo Comunicação

Contrate-nos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Co-CEO da Alphatree Capital participa de webinar da FGV EESP

Jonas Doi debateu sobre as “Perspectivas na indústria de fundos em 2022

Na noite de terça-feira, 8 de março, a FGV EESP promoveu um webinar sobre as “Perspectivas na indústria de fundos em 2022”. Com mediação de Marcelo Fernandes, professor e coordenador do Programa de Mestrado Profissional em Finanças e Economia da FGV EESP, César Aragão, diretor da Bahia Asset Management, e Jonas Doi, Co-CEO e gestor da Alphatree Capital, debateram sobre os desafios em um ano que já se provou extremamente volátil, principalmente pela conjuntura interna e externa de juros mais altos e inflação.

Para Doi, o Brasil viveu um modelo de “Política Fiscal frouxa com Política Monetária contracionista” desde o início do século até 2016. Com o ajuste fiscal no governo Temer, o país passou por um período em que este modelo “pé no acelerador com pé no freio” foi quebrado, e a política monetária viveu um momento de excepcional com o juro chegando a 2%.

Consequência dessa taxa de juro nunca vista na história do país, a indústria de fundos de investimento teve mudanças relevantes no período entre 2016 e 2021, com migração de ativos de renda fixa para renda variável e ativos dolarizados.

Com a normalização da política monetária no Brasil levando a Selic novamente para dois dígitos, esta migração para renda variável e ativos dolarizados vista nos últimos cinco anos está se revertendo. É nesse contexto que entra o debate sobre o momento para os fundos multimercados em um cenário desafiador de reversão de estímulos, ano eleitoral e inflação global.

“Quando a pessoa física vai fazer um investimento ela avalia de forma prospectiva um título público, como por exemplo uma LTN a 12%, e compara com a rentabilidade histórica de um fundo de investimento. A ideia de um Multimercado é entregar em um longo período um retorno de CDI mais 4% – 5%. De uma boa carteira de fundos multimercado espera-se ter um retorno de 19%, 20%, em um cenário em que um CDB pré-fixado promete 13%, 14% para o investidor, por exemplo”, diz o co-CEO da Alphatree Capital.

Doi ainda reforça: “profissionais como AAIs e distribuidores têm o cuidado de fazer a curadoria, avaliando o retorno e também o risco. Esse papel é muito importante na indústria de fundos, principalmente porque um fundo multimercado é o melhor ativo para o investidor ter na carteira porque vai protegê-lo do momento que estamos vivendo agora.”

Assista ao webinar completo:

Clientes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Clientes