A plataforma de brand journalism da Ovo Comunicação

Contrate-nos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Estoque de crédito fica estável em janeiro, diz Banco Central

Volume de crédito soma R$ 4,671 tri, o que equivale a 53,3% do PIB

Por Agência Brasil

O Banco Central (BC) informou hoje (24), em Brasília, que o estoque de crédito no Sistema Financeiro Nacional (SFN) ficou estável em janeiro na comparação com dezembro de 2021. O volume de crédito no mês passado foi de R$ 4,671 trilhões, o que corresponde a 53,3% do Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todas as riquezas produzidas no país.

A taxa de juros média anual nas operações de crédito ficou em 25,3% em janeiro, um aumento de um ponto percentual (pp) em relação a dezembro último. No período de 12 meses, houve recuo de 5,2 pp.

Nas operações de crédito com recursos livres, a taxa média de juros alcançou 35,3% em janeiro, uma alta de 1,5 pp em relação a dezembro. No período de 12 meses, a taxa de juros teve uma alta 6,9 pp em relação a janeiro do ano anterior.

Nas operações com pessoas jurídicas, a taxa média de juros situou-se em 21,3%, um aumento de 1,6 pp no mês e de 6,1 pp em 12 meses.

Nas operações de crédito realizadas com as famílias, a taxa média de juros atingiu 46,3%, alta de 1,3 pp em relação a dezembro de 2021 e de 6,9 pp no período de 12 meses.

Recursos livres às famílias
O BC disse, ainda, que o crédito com recursos livres às famílias somou R$ 1,5 trilhão no mês, mantendo a trajetória de crescimento observada nos meses anteriores, com elevações de 1% no mês e 23,8% em 12 meses.

Entre as principais modalidades, destacaram-se as elevações nas carteiras de crédito pessoal não consignado (3,5%), de cartão de crédito rotativo (8,6%), e de cheque especial (13,6%), as duas últimas influenciadas por fatores sazonais.

Já o saldo das operações de crédito com recursos livres para pessoas jurídicas alcançou R$ 1,3 trilhão em janeiro, redução de 1,8% no mês e alta de 16,5% em doze meses, desacelerando em relação ao mês anterior (17,3%).

Ainda segundo o BC, esse desempenho decorreu, em grande parte, da redução sazonal das carteiras de antecipação de faturas de cartão de crédito e de desconto de duplicatas.

O crédito direcionado totalizou R$1,9 trilhão em janeiro, com acréscimos de 0,3% no mês e de 10,9% em relação a janeiro de 2021. O crédito direcionado às empresas caiu 1% no mês e 0,7% em 12 meses, atingindo R$ 679 bilhões, enquanto o crédito direcionado às famílias somou R$ 1,2 trilhão, alta mensal de 1% (+18,6% em 12 meses).

Em janeiro, a inadimplência média das operações de crédito ficou em 2,5%, um aumento de 0,2 pp em relação a dezembro e de 0,4 pp na comparação interanual.

Relacionadas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email