A plataforma de brand journalism da Ovo Comunicação

Contrate-nos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Mortes por câncer representam quase um terço dos óbitos nas mulheres entre 40 e 60 anos

Levantamento realizado pela insurtech Azos revela um crescimento de mortes causadas pela doença, sobretudo por tumores nas mamas

Em que pese o crescimento populacional do país, houve um crescimento de 18,3% nas mortes de mulheres brasileiras por algum tipo de câncer entre 2014 e 2019. De lá para cá, passou-se de 93 mil óbitos para 110 mil.

Neste período, 31,2% dos óbitos em mulheres entre 40 e 60 anos foram em decorrência de um câncer. A representatividade deste tipo de morte, dentre os óbitos totais no sexo feminino, permanece próximo a um terço do total quando se fragmenta a análise em um intervalo menor, de 10 anos. Assim, corresponde a 30,3% das mortes totais nas mulheres entre 40 e 50 anos e 31,8% naquelas com idade entre 50 e 60 anos.

Os números fazem parte de um levantamento realizado pela insurtech Azos, a partir de sua calculadora, lançada em outubro, que analisou mais de 7 milhões de óbitos. Com um recorte por profissão e idade, a ferramenta consegue identificar os tipos de câncer que mais causaram mortes nas mulheres durante 2014 e 2019. Os dados analisados foram extraídos da base oficial do governo (dados.gov).

“Os resultados chamam a atenção e podem servir de alerta durante a campanha do Outubro Rosa, cuja iniciativa tem como objetivo principal conscientizar as mulheres e a sociedade em geral sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e de todos os outros tipos de cânceres femininos”, afirma Rafael Cló, CEO e sócio fundador da Azos.

Não por acaso, entre todas as mortes de mulheres brasileiras registradas por algum tipo de câncer ao longo destes anos analisados, a maioria das ocorrências teve tumores nas mamas (15,6%) como causa do falecimento. Em seguida, conforme os dados, aparecem câncer de pulmão (11%) e colo do útero (5,6%).

No caso do câncer de mama, em quase todas as faixas etárias foi constatado um aumento deste tipo de morte entre 2014 e 2019. A única exceção ocorreu entre mulheres com 20 a 30 anos, onde houve um recuo de 4%. Em contrapartida, no respectivo período, cresceu 23,2%, entre mulheres com 30 e 40 anos, ao saltar de 912 para 1.124.

Por este ângulo, o levantamento mapeou uma alta acima de 20% dos óbitos quando se leva em conta as faixas etárias a partir de 50 anos, sendo progressivamente maior conforme o aumento da idade. A Azos também identificou um crescimento das mortes por câncer de mama em todas as regiões do Brasil, sobretudo no Norte e Nordeste, em que se verificou uma elevação, para ambas, de 34%.

“É importante que governos criem campanhas reforçando a importância deste tema e ensinando como fazer o autoexame”, comenta Maria Elisa, responsável pela comunicação da Azos.

Profissão

A calculadora da insurtech ainda permitiu detectar a representatividade das mortes por câncer entre as mulheres por profissão nos anos de 2014 a 2019. A doença resultou em 46% de todos os óbitos no período entre as psicólogas, 41,6% entre diretoras administradoras e 38,8% entre as médicas. Em números percentuais o maior aumento se deu entre as diplomatas (80,8%).

No que se refere especificamente ao câncer de mama, as maiores representatividades no total de mortes estão entre as psicólogas (11,9%), médicas (10,5%) e dentistas (9,7%), tendo uma tendência de aumento anual, por outro lado, significativa entre as administradoras (39,6%) e as professoras (37,7%).

A insurtech disponibilizou gratuitamente a calculadora em seu site para que qualquer pessoa consiga consultar os tipos de cânceres mais comuns entre mulheres de determinada idade e profissão.

Relacionadas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email