A plataforma de brand journalism da Ovo Comunicação

Contrate-nos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O teto de gastos e os sem teto

Com as ruas virando abrigos, barracas nas praças e papelões nas calçadas, a miséria é comum a todos

Não há remédio para a miséria crônica, falimos como civilização. A verba mais importante era a última na fila do pão, enquanto nos bastidores de Brasília bombou o banquete all inclusive de emendas parlamentares e do fundão eleitoral. Diz o ditado: farinha pouca, meu pirão primeiro. Pior que o individualismo capitalista é o incurável egoísmo do estadista, visto que o último perpetua. O cálculo político continua a gerar bons dividendos, enquanto o drama social é apenas mais uma moeda que serve ao discurso na hora da barganha.

Conforme a dialética do senhor e do sufrágio: prioridade é o poder, depois vem o povo, somente para reconhecer o tal poder.

Estava escrito nas estrelas que no último ano do mandato presidencial um polpudo bolsa família seria a política-socio-eleitoral priorizada. Isso porque o Bolsa Família, independente do nome que o recrie, é necessário, eficiente, minimamente humano e (porque não) dá votos.

Claro que ele precisa ser aperfeiçoado, principalmente no que se diz respeito a porta de saída, mas é bom ver que o conceito de renda mínima superou o embate ideológico, e que a briga hoje é pela paternidade do programa.

Por outro lado, é bom ver também jornalistas (mais à esquerda) defendendo o teto de gastos contra o populismo fiscal. Alguém lembra na época de Temer como esse debate foi travado? Tirar dinheiro da saúde, da educação e tal? Dinheiro tem, o que falta é prioridade. Além do mais, é preciso preservar o valor do dinheiro.

Com as ruas virando abrigos, barracas nas praças e papelões nas calçadas, a miséria é comum a todos. Impossível desviar dela. Impossível esquecer dela. Ela a todo instante nos aborda e cobra algumas poucas moedas. Cobra humanidade. E nos perguntamos, ao abrir a carteira em meio ao risco de assalto, ao procurar aquela nota de dois reais que já não compra nada, se a esmola somente alimentará mais a miséria? Mas logo se percebe que a miséria se tornou tão grande que isso não seria nem mais uma questão, e que por mais generoso que venha o gesto, aquilo é uma gota d’água no oceano, e aquele indivíduo a sua frente, aquela fome particular, é a realidade de milhões, numa escala que por si só desumaniza.

O drama do orçamento é que se o posto Ipiranga fosse uma farmácia, Paulo Guedes ia estar na frente pedindo pacotes de fraldas para revender.

Clientes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Clientes