Jader Fernandes: Bem-vindo ao clube. Das criptos

Razões para acreditar nos ativos digitais

Imagine a situação: é uma linda noite de sexta-feira e você está enrolado no trabalho, enquanto seus melhores amigos (que dificilmente se encontram) estão reunidos no seu bar favorito (ah, claro, não há pandemia). Seria normal a sensação de estar perdendo alguma coisa, né? Um chope incrivelmente gelado, uma novidade, uma boa história. É o tal do FOMO, o “fear of missing out”. Em português, medo de perder algo.

No mundo dos investimentos, essa sensação é bem comum. Recentemente, com o Bitcoin flertando com o patamar de 50 mil dólares, muitos dos que não tinham a moeda digital se ressentiram. Meses antes, registra-se, o ativo comia poeira na faixa dos US$ 30 mil.

Porém, entretanto, contudo, todavia, investir – seja lá no que for – por puro medo de perder uma oportunidade é uma tremenda bobagem, acho eu. As motivações devem ser outras. Veja se você se empolga…

No Brasil, já existem opções reguladas

Comprar criptoativos por conta própria é um tanto delicado. Vários fatores complexos devem ser considerados, como armazenamento, chaves de segurança, entre outros. Mas, de vez em quando, ser brasileiro tem suas vantagens. Nossa Bolsa de Valores já possui alguns ETFs com 100% de exposição no mercado de ativos digitais.

Da mesma forma que ações e FIIs, os fundos de índice (como os da gestora Hashdex) que investem em criptos – Ethereum, Bitcoin etc – podem ser facilmente negociados. Por aqui, só não investe quem não pode ou não quer.

Blockchain é o futuro

Tenho certeza que você já ouviu essa frase. E vai continuar ouvindo. A tecnologia blockchain é uma poderosa ferramenta, com potencial para fazer muito mais do que “apenas” servir de base para a negociação de criptomoedas. Por conferir segurança, transparência e rastreabilidade às suas transações, pode ser utilizada para a criação de soluções inovadoras e digitais, beneficiando setores como o bancário, o de varejo, de saúde, entre outros.

A Microsoft, por exemplo, está atenta a isso. Como se sabe, cópias falsas de seus produtos, em especial o Windows e o pacote Office, causam grande impacto negativo na receita da empresa. O que ela fez para combater o problema?

No mês passado, anunciou o lançamento da ferramenta Argus, desenvolvida em parceria com o grupo chinês Alibaba (gigante mundial em patentes de blockchain) e com universidades dos Estados Unidos e da China. Em funcionamento dentro da rede Ethereum, a solução oferece recompensas para usuários que denunciarem distribuidores ilegais ou produtos piratas.

Com a adoção de soluções baseadas em blockchain ao redor do mundo, a escalada de valorização das criptomoedas provavelmente vai continuar.

De grão em grão…

Beber água para se hidratar e ter cautela com seu dinheiro nunca é demais. À pessoa que coloca todas as economias em criptoativos está faltando juízo. É preciso medir os riscos. Se você é neófito nesse mercado, ganhe exposição com uma grana que, em caso de perdas, não lhe cause traumas.

Dizem que a porcentagem mágica de cripto no portfólio é 5%, no máximo. Se tudo der certo, essa pequena porcentagem pode virar uma bolada no longo prazo. Não carece chegar com o pé na porta. Quando se trata de cripto, olhar pela fechadura já resolve.

Deixe uma resposta