A plataforma de brand journalism da Ovo Comunicação

Contrate-nos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Criptomoedas já aparecem em terceiro em lista de investidores

Feita em parceria com a Hashdex, pesquisa aponta que 27,78% dos brasileiros que investem via plataformas têm na carteira moedas digitais

Feita em parceria com a Hashdex, pesquisa aponta que 27,78% dos brasileiros que investem via plataformas têm na carteira moedas digitais

As criptomoedas vêm ganhando espaço no portfólio das pessoas que buscam investimentos alternativos. No Brasil, já ocupam – com destaque para o bitcoin – o terceiro lugar na lista de preferências dos investidores que aplicam via plataformas (27,78% deles dizem ter na carteira essa classe de ativos). O interesse pelas moedas digitais é maior entre os pessimistas com a economia brasileira. 

Essas e outras informações constam de uma pesquisa da Escola de Economia de São Paulo, da Fundação Getulio Vargas (FGV/EESP), feita em parceria com a University Blockchain Research Initiative (UBRI) e a gestora brasileira Hashdex. O estudo teve como base um questionário respondido por 446 homens e 130 mulheres, entre fevereiro e março deste ano.   

“Conhecer o perfil do investidor interessado nos criptoativos é de extrema importância para que possamos desenvolver ações educativas”, diz Marcelo Sampaio, CEO da Hashdex. “Como líderes de mercado no Brasil e na América Latina, entendemos que nosso papel é ajudar o investidor a compreender toda a complexidade do mercado de cripto.”

Ainda segundo o levantamento, as ações representam a primeira opção de investimento (72,05% de incidência nas respostas), seguida por títulos privados de renda fixa, como CBD e LCA (40,45%). Em quarto lugar, logo depois das criptomoedas, figura o Tesouro Direito (18,92%), acompanhado na sequência por commodities, câmbio e poupança.

“Apesar do mercado de criptoativos estar em franco crescimento, ainda se sabe muito pouco sobre as características e percepções dos investidores brasileiros em relação a essa emergente classe de ativos”, diz Jéfferson Colombo, professor da FGV EESP e coordenador da pesquisa.

No que se refere ao perfil de risco dos investidores, a maioria dos participantes se classificou como arrojada (36,1%). Em seguida, aparecem moderados (33,3%), agressivos (23,6%) e conservadores (6,9%). Mais: jovens de até 29 anos são os que mais têm conhecimento sobre criptoativos e os mais propensos a tolerar risco.   

Quer saber mais sobre esse universo? Acesse: hashdex.com.br.

Relacionadas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email