William Castro Alves: Inflação não preocupa e existe vida além do S&P 500

O investidor não se deve levar pela narrativa de que “a bolsa americana está nas máximas e não tem mais oportunidade lá”

Por William Castro Alves, estrategista-chefe da Avenue Securities

Nesta semana, o mercado e o mundo pararam para observar e analisar o indicador de inflação americana (Consumer Price Index – CPI), divulgado na quinta-feira. Entenda: a inflação dita americana não se restringe apenas aos Estados Unidos, uma vez que é repassada ao mundo todo por meio do dólar ou mesmo dos produtos americanos transacionados com outros países. Se o iPhone fica mais caro nos EUA, ficará no resto do planeta, não é mesmo?

Pois bem. De fato a inflação mais uma vez surpreendeu positivamente. Veio acima do esperado e no patamar mais alto desde 2008, alcançando os 5% (linha azul do gráfico abaixo).

QUAL O IMPACTO NO MERCADO?

Seria normal supor uma elevação das curvas de juros nos EUA, algo que afetaria especialmente as ações de tecnologia e, dado o maior peso destas no S&P, poderia puxar o índice para baixo.

Mas o efeito foi exatamente o oposto, com a curva de juros cedendo (gráfico da treasury de 10 anos na semana) …

… As ações de tecnologia performando bem e levando o S&P a mais um all time high (atingir uma nova máxima histórica) – abaixo o gráfico do S&P 500 (linha preta) na semana, com o XLK (ETF de tecnologia) na linha azul.  

gráfico S&P 500
Fonte.  

QUAL O MOTIVO DE O MERCADO TER IGNORADO A INFLAÇÃO?

Entender o mercado no curtíssimo prazo é sempre complexo e nem sempre o melhor exercício analítico a ser feito. Ainda assim, fazendo uma leitura, o que acontece é que o mercado vê a inflação como transitória – exatamente como comentei na semana passada. O gráfico abaixo, de Patrick Zweifel, economista-chefe da Pictet Asset Management, traz um insight interessante. Separa aquilo que tende a ser passageiro no CPI. Segundo ele, expurgando efeitos considerados passageiros (barra vermelha) e o efeito base (inflação anterior repassada aos preços atuais), o núcleo do índice estaria em 1.6%, e a inflação como um todo, mais comportada.

Outra dúvida do mercado é saber até que ponto a inflação atual, oriunda das commodities, é passageira ou não. Na dúvida, o que temos visto é o mercado reajustando expectativas. Se até dois meses atrás muitos davam como certo um aumento de juros em 2022, agora a certeza se desfez.

Sim, o mercado muda de opinião como quem muda de roupa. Por isso sempre ressaltamos aqui que o investidor não deve se mover por headlines de jornais ou notícias, e deve focar na análise dos ativos em que investe.

E NO MERCADO…

Seguimos vendo uma fraca performance das empresas mais conhecidas relativamente ao índice S&P, como nos trouxe a análise de Michael Kantrowitz, estrategista-chefe da Cornerstone Macro. O gráfico abaixo compara o desempenho de 20 ações de empresas que aparecem em diversas carteiras de diversos tipos de investidor – nomes bem conhecidos – relativamente ao índice, mostrando que as empresas mais conhecidas têm “ficado para trás”.

Qual é o insight aqui? Que o mercado americano é amplo e não se restringe aos maiores e mais conhecidos nomes do mercado.

Inclusive quando comparamos a inflexão de lucros das empresas menores (mid e small caps) vemos que essa foi maior.

E essa maior inflexão de lucros faz com que, apesar das altas da bolsa americana como um todo (falo do índice S&P 500), muitas empresas fora do índice não estejam nas máximas de seus múltiplos de Preço/Lucro, por exemplo. O gráfico abaixo compara o P/E (price/earnings) do S&P 500 com de empresas mid e small caps, as quais se mostram mais baratas negociando a cerca de 18x lucros.   

O que estou querendo dizer é que existe vida além do S&P 500 e que o investidor não se deve levar pela narrativa de que “a bolsa americana está nas máximas e não tem mais oportunidade lá”. Esse é um tipo de análise rasa e superficial e que desconsidera uma regra de ouro na bolsa, que é: as ações se movimentam de acordo com seus lucros.

LEITURAS INTERESSANTES…

Warren Buffet investindo em mais uma empresa brasileira. Para quem não viu, nesta semana tivemos o buzz em torno do novo investimento do oráculo de Omaha. Desta vez, a aposta é no Nubank, que pretende fazer IPO nos EUA – clique e confira. Mas não foi só ele não. A empresa do cartão roxinho ganhou mais um sócio famoso – confira.

Investimento internacional. A Visual Capitalist publicou um estudo/post muito bom sobre o mercado de investimento internacional, abordando Home Bias, correlações, entre outros. Vale a pena a leitura.

Aula de Value Investing com Howard Marks? Sim, no vídeo deste link você assiste à uma hora de uma verdadeira aula de value investing ministrada pelo lendário investidor e gestor da Oaktree Capital.

Netflix Shop? Sim. Essa é a nova cartada da Netflix na busca por contrapor a competição acirrada do setor. Clique e leia mais sobre.

Um futuro cheio de hologramas? Parece que as empresas de tecnologia querem fazer dos hologramas parte do nosso dia a dia – leia mais sobre.

Até semana que vem.

William Castro Alves

Deixe uma resposta