Elon Musk x Bitcoin x Dorsey

Falas recentes do CEO da Tesla derrubaram a moeda digital. Por outro lado, CEO do Twitter defende que criptoativos têm característica mais democrática que o dinheiro tradicional. Entenda esse rolo e tome a melhor decisão  

elon musk x bitcoin x jack dorsey

Nas últimas semanas, você muito ouviu falar sobre bitcoin. Nas redes sociais, no noticiário, na boca do CEO da Tesla, Elon Musk, e agora na do CEO do Twitter, Jack Dorsey. O criptoativo mais conhecido do mercado ora é mocinho; ora, bandido. Se a volatilidade da moeda digital já é comum em tempos “normais”, o que ocorre, então, quando um figurão desses resolve criticá-la ou defendê-la publicamente?  

A linha do tempo da relação Musk x Bitcoin 

  • Em dezembro de 2020, o empresário usou o Twitter para questionar se deveria converter grandes transações do balanço da Tesla em bitcoins. Após ser aconselhado pelo CEO da MicroStrategy, declarou: “Bitcoin é minha palavra secreta”. Resultado? O criptoativo teve alta de 25%.
  • Em janeiro de 2021, bastou Musk colocar #bitcoin em sua descrição na rede social, que o preço disparou mais de 20%.
  • O recorde chegou em abril. Turbinada pela notícia de que a Tesla aceitaria pagamento com o bitcoin, a moeda foi a US$ 64.892.
  • Em maio, porém, o jogo virou: o bilionário anunciou que iria suspender o uso na venda dos carros da Tesla. “Estamos preocupados com o aumento acelerado de combustíveis fósseis para a mineração de bitcoin e suas transações, especialmente carvão, que tem as piores emissões entre todos os combustíveis”, escreveu Musk. Ato contínuo, o bitcoin registrou queda de mais de 10%, ficando abaixo de US$ 50 mil.
  • Mais recentemente, um “simples” emoji de coração partido junto à hashtag bitcoin levou a um novo tombo, de 7%.

CEO do Twitter: fala que eu te escuto  

Neste fim de semana, Jack Dorsey participou da Conferência Bitcoin 2021, em Miami. O que ele disse:  
 
“O bitcoin muda absolutamente tudo. Não acho que haja nada mais importante na minha vida em que trabalhar atualmente. Se eu não estivesse no Square ou no Twitter, estaria trabalhando no bitcoin.” 
 
Para o executivo, as criptomoedas têm uma característica mais democrática que o dinheiro tradicional, sendo mais inclusivas. Seriam, ainda, uma alternativa à depreciação monetária e poderiam agilizar transações internacionais. “Não creio que exista algo com mais poder de capacitar as pessoas ao redor do mundo”. 

Vale a pena investir?  

Deixe uma resposta