O que você compra com  R$ 5?  Um seguro de vida! 

Insurtech Azos quer democratizar e desburocratizar o setor

azos

Você, caro leitor, possui seguro de vida? Se respondeu não, faz parte dos 85% dos brasileiros que, segundo o Ibope, não têm nenhuma proteção. Esse mercado, porém, cresceu mais de 20% nos últimos anos, e as seguradoras de vida no Brasil contam com uma das maiores margens de lucro do mundo (ROE ~20%).   
  
Com essas informações em mente, somadas a uma experiência pessoal frustrante envolvendo uma das principais empresas da área, Rafael Cló se uniu a Bernardo Ribeiro e Renato Farias, em 2019. Os três compartilharam entre si a expertise em análise de dados, vendas e marketing em multinacionais e a tarimba no mercado de capital e em fundos de investimento em inovação.

O resultado? A Azos, uma insurtech com planos a partir de R$ 5 e a qual permite ao usuário definir o modelo de seguro que melhor se adapta ao seu bolso e estilo de vida. A empresa opera em todo o Brasil.   

“Surgimos para proteger vidas. Os seguros de vida das seguradoras tradicionais são caros, a contratação é complexa, os processos são antiquados. Construímos nossa tecnologia do zero para simplificar o processo de contratação e oferecer produtos de qualidade por preços incríveis, além de garantir um atendimento mais humano e personalizado”, diz Rafael, CEO e fundador da Azos.  

A “experiência pessoal frustrante”:   

No período em que Rafael concluía o MBA, em Stanford, venceu o cartão de crédito brasileiro usado por ele para fazer os pagamentos automáticos de um seguro de vida. As tentativas de solucionar a questão de maneira virtual foram em vão. O corretor que vendeu a apólice tinha saído da companhia e não podia ajudar. O departamento financeiro da seguradora não tinha permissão para ligar para um número estrangeiro. O problema foi resolvido só depois de mais de dois meses, ao longo dos quais rolaram juros e multas por atraso.   

Para que ninguém passe por experiência similar, a Azos oferece para o cliente final uma contratação online simplificada. Com canais digitais, coberturas em vida, flexibilidade para troca de plano sem taxa ou multa, e preços acessíveis, a empresa quer democratizar o acesso ao seguro de vida no país.   

“Vamos encontrar nosso cliente onde ele quiser, seja online, seja por intermédio do seu corretor de confiança. Com nossos sistemas flexíveis, na prática o corretor não terá que se preocupar com nada senão explicar a importância do seguro e vender”, afirma Bernardo.  

Em abril de 2020, a companhia levantou R$ 350 mil, numa primeira rodada de captação financeira. Em outubro, mais R$ 12,5 milhões, com Kaszek, Maya, Propel e outros anjos dos mercados de tecnologia e seguros. “Os recursos foram usados para montar um time forte de tecnologia e firmar parcerias com resseguradora e seguradora de ponta. Tudo para desenvolver novos produtos de seguro”, diz Renato. 

Deixe uma resposta