Novo livro de Felipe Miranda propõe reflexão sobre comportamento do investidor

“Princípios do Estrategista” expõe antítese ao day trade, aos gurus financeiros e à ilusão de que investidor saberá mais que o mercado

Princípios do Estrategista”, livro assinado por Felipe Miranda e Ricardo Mioto, respectivamente estrategista-chefe e diretor de comunicação da Empiricus, já está disponível. Ele nasceu como antítese a uma era de promessas de dinheiro fácil por meio de trading na Bolsa, muitas vezes estimuladas por influenciadores digitais,

O livro busca desconstruir a arrogância do investidor que acha que, da sua sala de estar, sabe mais que o mercado e portanto pode batê-lo com facilidade para obter lucros expressivos em operações de curto prazo. “No longo prazo, comprar ações é uma aposta no crescimento das empresas e do país. Não é um jogo de soma zero: se os lucros e o PIB sobem, todo mundo ganha”, escrevem. “Fazer trades de curto prazo, porém, envolve a crença de que você tem mais informação, mais inteligência ou melhores técnicas do que os outros, inclusive os investidores profissionais como bancos ou grandes fundos. Não tem.”

Miranda e Mioto apresentam as principais limitações psicológicas que fazem o investidor tomar más decisões, como o viés de confirmação. Assim como o torcedor apaixonado por seu time sempre acha que foi pênalti a seu favor, o investidor muitas vezes perde a capacidade de admitir friamente que a ação que comprou foi um erro. Ninguém quer se sentir idiota, de modo que peneiramos a realidade para que nossas ideias preconcebidas sejam reforçadas. É ótimo como alívio psicológico, mas terrível para o seu dinheiro.

Os autores citam o físico Richard Feynman: “A primeira regra é não enganar a si mesmo — e você é a pessoa mais fácil de se enganar”. Muito além de Feynman, o livro, aliás, traz um mar de referências. Além de nomes clássicos do mercado (como Warren Buffett e George Soros), traz o pensamento de filósofos (Sócrates, Montaigne), atletas (Bernardinho, Nick Lauda), escritores (de Orwell a Borges) e figuras de áreas diversas (de Shakespeare a Vampeta), além de cartoons da New Yorker.

A frase que abre a obra é uma referência a Tolstói: “Todos os bons investidores se parecem, mas os investidores ruins são ruins cada um à sua maneira. O que é comum a todo investidor de sucesso é sua visão humilde e cética diante do mercado: as coisas que não sabemos são muito mais numerosas do que as que sabemos.”

A citação remete à solução apontada pelos autores para os investidores que querem construir patrimônio de fato: se achar menos, proteger-se mais, jamais entrar em investimentos que tragam risco de ruína. O livro traz um mapa completo para ganhar dinheiro com segurança no mercado, tratando de oportunidades e da forma correta de operar em todas as principais classes de ativos, de ações à renda fixa e fundos.

Por fim, a obra também trata de uma questão de igual ou maior importância: os aspectos de uma boa vida que transcendem o dinheiro e que derivam do seu bom uso. O último capítulo do livro escrito pelos dois profissionais da Faria Lima trata de… amor.

Lançado em capa dura e com projeto gráfico especial, o livro conta com prefácios de Gilson Finkelsztain, presidente da B3, e de André Esteves, sócio do BTG.

“É o tipo de leitura de que eu gosto: um texto agradável, mas denso. Está na fronteira do que é discutido internacionalmente em finanças, em linguagem compreensível, divertida e direta, com uma visão ajustada às particularidades brasileiras”, escreve Esteves.

Deixe uma resposta