A plataforma de brand journalism da Ovo Comunicação

Contrate-nos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

As três constantes dos investimentos

Muitos poupadores repetem comportamentos e caem em golpes como a pirâmide financeira ou acreditam que não existe tese ruim para ganhar dinheiro

Fui capturado pela coluna do matemático Marcelo Viana, na Folha de S. Paulo, e não tive dúvida: roubei a ideia do título. Ele escreveu sobre “As três constantes mais famosas da matemática”. Não sou um expert na matéria, mas gosto de desafiar a minha ignorância com assuntos alheios aos que domino. E convido você a fazer o mesmo. Sempre que se deparar com algo fora da sua zona de conforto, encare; mesmo que termine o texto sem entender nada. É uma maneira de perceber que não sabemos tudo, não dominamos tudo e temos de refletir (bem) antes de sair tuitando, ou melhor, comentado todos os assuntos.

Essa é a essência da minha profissão. Ser jornalista é não saber de nada, mas ter acesso a quem sabe de tudo. Essa é a beleza da ignorância: prestar atenção no interlocutor, no especialista no assunto. Perguntar, entender e escrever sem a arrogância do “eu já sei”. É assim que tem de ser – ou que deveria ser.

Mas quando se trata de investimentos, há algumas constantes fáceis de se identificar. O primeiro exemplo tem se repetido com muita frequência. Há alguns dias, a Polícia Civil revelou a investigação sobre uma pirâmide financeira, na região de Campinas (SP), que teria movimentado R$ 300 milhões. Não fosse esse tipo de golpe extremamente conhecido, o esquema ainda revelava a participação de artistas, celebridades e jornalistas.

Se a sua reação foi “de novo”, certamente você já ouviu a constante “todo dia um malandro e um otário saem de casa. E quando se encontram, sai negócio”.

Quem é mais velho deve se lembrar do estrago causado pela Fazendas Reunidas Boi Gordo, que atraiu um séquito de famosos com a promessa de lucros muito acima da média de mercado. Embora todos saibam que compromisso de retorno garantido é furada, a primeira constante do investimento nunca falha.

Assim como o destino do seu dinheiro não será outro após uma decisão sobre a taxa de juros. Mas, assim que o Copom anuncia a nova Taxa Selic, pipocam textos que mostram quanto rende R$ 1 mil na poupança e no tesouro direto. Há variações como agora que o Banco Central está hawkish, fuja da renda variável e fique rico na renda fixa.

Na prática, na prática mesmo, não faz a menor diferença na sua estratégia de investimentos o que vai acontecer no curtíssimo prazo. Mas todo veículo de imprensa renova essa conta para o leitor que acredita na constante que diz que “só os impacientes podem esperar grandes retornos da noite para o dia”.

Há, porém aqueles que acreditam no milagre da multiplicação e fazem parte da torcida organizada de ações. O sujeito não se importa com relatórios, análises, números, resultados e problemas da empresa. Ele é um apaixonado pelo papel, que foi comprado baratinho, na bacia das almas, e vai se transformar no maior retorno da história da bolsa de valores. Ele tem certeza que o valor de negociação da ação não refleto o conhecimento dele, mesmo com os especialistas dizendo o contrário. Sonha escrever no Twitter “não falei, não falei… kkkk” para todos que alertavam sobre o futuro sombrio daquela ação.

A dificuldade é saber quando ele soprou o pó da carteira de investimentos, engoliu o orgulho e foi em busca da redenção. Mas sua mente e teimosia estão ligadas à terceira constante dos investimentos: “qualquer empresa é boa com um preço maravilhoso”.

Não é, como escreveu Rodolfo Amstalden, “lucro vira fumaça com alguma frequência, mas fumaça dificilmente vira lucro.”

De constante em constante, muitos investidores creem que toda ação tem apenas o caminho de se valorizar ao infinito; que não existem golpes e só trouxa deixa passar a promessa de dinheiro fácil; e que só interessa longo prazo se acontecer depois de amanhã.

Clientes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Clientes