A plataforma de brand journalism da Ovo Comunicação

Contrate-nos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Você não pode prever 2022. Pode se preparar

Todos estão em busca neste momento da resposta definitiva para o novo ano, desde os melhores investimentos ao candidato imbatível à Presidência. Mas será que não estamos sofrendo por antecipação?

Para qual pergunta você gostaria de receber, hoje, uma resposta definitiva: o melhor ativo para investir e ficar rico em 2022? Qual criptomoeda vai ser lançada e multiplicar o retorno em poucos meses? A ação da bolsa de valores que será a campeã de rentabilidade? Se a inflação vai se manter em alta e a taxa básica de juros vai continuar subindo? Ou quem será o grande vencedor das eleições presidenciais?

O exercício de tentar prever o futuro pode ser infinito – ainda mais se acrescentarmos os receios com novas variantes da covid-19 e um retrocesso na abertura global. Essas previsões só servem para sofremos por antecipação. Queremos ter o controle do que acontecerá sem, de fato, passarmos pelas dificuldades, incertezas, receios e dúvidas que cada movimento poderá provocar.

Com todas as desculpas ao Howard Marks, cofundador da Oaktree, de quem usurpei a ideia deste título, mas a busca por previsões só tenta acalmar nossa ansiedade. Tudo vai acontecer no seu devido momento, e você tem a liberdade de poder sofrer uma ou duas vezes. Em qualquer uma das opções, o mais correto a ser feito é estar bem preparado.

Um bom exemplo de como previsão e preparação andam lado a lado é o que aconteceu com Saulo Squarsone, goleiro da Ferroviária. Nesta temporada, ele alcançou o top 5 do século XXI entre os goleiros de todo o mundo que ficaram mais minutos sem tomar gol. E mais: os 984 minutos colocaram Saulo na lista dos top 25 de todos os tempos. Com um goleiro instransponível, a equipe de Araraquara entrou invicta na fase decisiva da série D e a previsão era que o acesso estava garantido. Mas se o futebol imita a vida, veio o empate inesperado nas eliminatórias e uma decisão por pênaltis.

Saulo Squarsone, goleiro da Ferroviária
Saulo Squarsone, goleiro da Ferroviária

Embora as previsões indicassem o sucesso, Saulo escolheu se preparar. Ele contou neste episódio do podcast Os Goleiros que nunca deixou de treinar duro para todas as situações, inclusive para uma decisão por pênaltis, algo que envolve o trabalho técnico e específico em campo e o estudo, por meio de vídeos, sobre os tipos de cobrança feitas pelo adversário.

Mas se preparar não é sinônimo de sucesso. Saulo fez o que estava ao alcance dele. E apesar de ter pegado três pênaltis na decisão, a Ferroviária foi eliminada.

Por isso, neste momento de tantas incertezas presentes na economia e na política, em vez de se fiar nas previsões, busque se preparar para as tormentas – principalmente para que o seu bolso não sofra. E nunca é demais repetir a frase que Paolo di Sora, sócio-fundador da RPS Capital, disse numa entrevista recente ao podcast RadioCash: não dá para ser Warren Buffett no Brasil pela falta de estabilidade da economia local e pelas seguidas ondas de crise domésticas. 2022 não será diferente, talvez mais arriscado e polarizado. Mas isso seria uma previsão. Melhor nos prepararmos.

Clientes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Clientes